Blog das Carreiras Jurídicas pela Democracia

Desvio de função

Desvio de função.

Faz muito tempo

Na capatazia.

Disseram.

Ele ia ser apontador.

Não ia mais limpar banheiro.

Ia fiscalizar.

Os seis do centro da Cidade.

Ver qual faxineiro não foi,

Atrasou pra chegar.

Ver quem fica no lugar do ausente.

Banheiro Público,

Não pode fechar.

Não para nunca.

O povo entra a pra tudo.

Injetar,

Roubar,

Se abusar.

Ninguém se mete,

Já basta o banheiro.

Já basta cuidar de si.

Que o assaltante

Não respeita nem faxineiro.

A conversa se alonga.

Ele gostando.

Bom ouvir ela perguntar.

– E se eu estiver no centro, e me apertar? Qual é o banheiro mais limpo, menos sujo, mais decente pra eu usar?

– Praça Parobé, doutora. Queira Deus, não precise. A gente faz o que pode. Ás vezes, é só água pra limpar.

Que tanta conversa.

Que tanto a mulher na frente dele,

que nem acreditava era juíza,

tinha pra perguntar.

Que tanto olhava pra ele.

Que tanto fazia ele sentir uma coisa boa.

Contente.

Márcia Kern, Juíza de Direito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to top